Para quem não sabe BLW significa Baby-Led Weaning, que simplesmente quer dizer: Desmame guiado pelo Bebé.

BLW tem nome de carro e o conceito para quem não conhece parece mais uma daquelas coisas do pessoal do Age of Aquarius.

Não tomei contacto com o BLW em nenhuma aula de yoga, foram mesmo as enfermeiras do centro de saúde, e mais tarde a pediatra, que incentivaram o método.

Tudo bem que não usaram o termo, nem exploraram todas as teorias dos ritmos do bebé, o seu amadurecimento e contributo para a independência. A conversa foi mais do género: Agora mamã, o que era óptimo, era que o sentasse na cadeirinha ao pé de vocês, e o deixasse explorar e brincar com a comida.

Estávamos por volta dos 8 meses (pode ser introduzido mais cedo), já tinha dentes mais do que suficientes e estávamos a iniciar a introdução dos sólidos. Pareceu-me uma óptima ideia.

Damos a sopa e a fruta por isso garantimos sempre a alimentação, e o segundo prato passou a ser para exploração.

Não fazíamos ideia do que era BLW, apenas seguíamos um conselho que nos foi dado por profissionais que respeitamos e que se enquadrava totalmente com a nossa visão de parentalidade.

Ele mexe nos alimentos, experimenta texturas, aprende a mastigar, a engolir sem se engasgar e tudo isto, ao ritmo dele, sem pressão.

Claro que a colher estava sempre presente, e entre uma ‘experimentação’ e outra, aproveitávamos para lhe oferecer os alimentos. Uns dias aceitava e outros recusava.

Por isso, não nos consideramos puristas do BLW, houve sempre uma colher por ali nos sólidos e a sopa é sempre dada por nós.

As principais vantagens do BLW em relação à diversificação alimentar tradicional, em que é oferecido à criança a comida na colher esmagada e progressivamente se vai aumentando o tamanho/textura da comida, no nosso entender, está ligada com o progresso natural que o BLW permite:

  • A criança não segue o ritmo que os pais entendem a que deve ser feito mas sim o seu próprio
  • Passa a conhecer os diversos alimentos e a expressar preferências
  • Não há drama, nem choros, nem birras
  • A evolução é mais rápida do que a introdução com colher
  • Incentivamos a independência
  • Partilhamos refeições

Isto claro que é apenas a minha opinião em relação ao nosso processo.

A parte mais chata disto tudo, é mesmo a sujeira que se instala. Aí não há mesmo hipótese de controlar. Fica tudo sujo (especialmente ao início), ele, a mesa, o chão e com alguma ‘sorte’ os móveis à volta.

Os pais que têm cão em casa só têm de limpar o bebé e a mesa 😀

Ao utilizar o método BLW, o que sentimos foi um aumento da necessidade do S. de utilizar os talheres. Como o segundo prato, faz sempre connosco à mesa, automaticamente começou por imitação a tentar segurar nos talheres.

Não corre sempre bem e ainda faz muitas refeições usando apenas as mãos mas na última semana começou a usar cada vez mais os talheres e já conseguiu fazer refeições completas sem mexer nos alimentos. Estou a falar apenas dos sólidos porque a sopa continuamos a ser nós a dar na colher.

IMG_1055 IMG_1054 IMG_1053

Para nós ver esta evolução é simplesmente fantástica.  Num instante vai estar a comer a sopa também sozinho.

Já sonhamos com o dia em que quando formos a um restaurante não nos olhem de lado e murmurem entre dentes: Lá vêm aqueles pais hippies que deixam a criança comer com as mãos…

Para quem quiser experimentar aqui ficam algumas ideias adaptadas retiradas daqui, traduzidas e transcritas aqui.

CERTOS E ERRADOS PARA O BLW:

1. CERTO – Oferecer ao seu bebé a oportunidade de participar dos momentos de alimentação da família. Você pode fazer isso próximo aos seis meses de idade, quando ele começar a demonstrar interesse em ver você comer e passar a levar comida à sua própria boca.

2. CERTO – Garantir que seu bebé está apoiado numa posição vertical, sentado, enquanto explora a comida. No começo você pode sentá-lo no colo, olhando para a mesa. Assim que ele tiver aptidão para pegar a comida, ele provavelmente já estará sentando sozinho, ou com um mínimo de suporte, numa cadeira de alimentação.

3. CERTO – Começar oferecendo comidas cortadas no tamanho da mão do bebé, preferencialmente cortados em palitos ou contendo hastes. Assim que possível e desde que apropriado, oferecer a ele a mesma comida que você está comendo, para que ele se sinta parte de tudo o que está acontecendo.

4. CERTO – Oferecer uma grande variedade de alimentos. Não há porque limitar a experiência do bebé com comidas além do que você faria com os brinquedos.

5. ERRADO – Apressar o seu bebé. Permita que ele faça as coisas ao seu tempo. E principalmente, resista à tentação de ‘ajudá-lo’, colocando coisas em sua boca.

6. ERRADO – Esperar que seu bebé coma todos os alimentos oferecidos, desde o começo. Assim que ele tiver descoberto que estes novos brinquedos têm um gosto bom, ele irá começar a mastigá-los e, mais pra frente, engoli-los.

7. ERRADO – Esperar que um bebé pequeno coma todos os pedacinhos de comida logo na primeira vez – lembre-se de que ele ainda não desenvolveu a habilidade de agarrar a comida que está dentro da sua mão.

8. CERTO – Tentar oferecer novamente alimentos que foram recusados anteriormente – bebés costumam mudar de opinião e passam a aceitar alimentos negados anteriormente.

9. ERRADO – Deixar seu bebé sozinho com a comida.

10. ERRADO – Oferecer alimentos que oferecem perigo óbvio – como amendoins.

11. ERRADO – Oferecer fast-food, comidas industrializadas ou alimentos que contém sal e/ou açúcar adicionados.

12. CERTO – Oferecer água em copo, mas não se preocupar caso seu bebé não demonstre interesse em tomá-la. Principalmente os bebês amamentados no peito tendem a continuar ingerindo todo o líquido necessário nas mamadas.

13. CERTO – Estar preparada para a bagunça! Um plástico limpo no chão, em baixo do cadeirão poderá proteger seu carpete e facilitar muito a limpeza. Isso vai lhe permitir, inclusive, a devolver ao seu bebé os alimentos que ele deixar cair, evitando um pouco o desperdício. (Você vai se surpreender em quão rápido seu bebé aprende a comer fazendo pouquíssima sujeira)

14. CERTO – Continuar permitindo ao seu bebé que mame em livre demanda, quando e por quanto tempo quiser. Espere que seu apetite por leite se altere a medida que ele passe a ingerir mais alimentos sólidos.

15. Se você tem um histórico familiar de intolerância a alimentos, alergias ou problemas digestivos, é CERTO discutir este método de desmame com seus médicos antes de adotá-lo.

16. Finalmente, é CERTO aproveitar enquanto assiste seu bebê a aprender sobre a comida – e desenvolver suas habilidades com as mãos e boca no processo!

 

 

 

Comentários

Sandra
Author

1 Comment

  1. Pingback: Comer sozinho!  | Sweet Caos

Write A Comment