Category

Bárbara

Category

#sermãe 

Ser mãe é amar imensamente! 

É dar do nosso bem, do nosso calor, da nossa vida. 

Mas há dias em que ser mãe é ter dentro da cabeça mais chuva do que a que cai lá fora! Em que há noites em que respiras fundo para conter o grito do cansaço e da impaciência.

Ser mãe é passar o dia a vegetar enquanto se espera pela hora do sorriso e de agarrar nos brinquedos.  E é passar a noite a acordar para verificar que está tudo bem.

Esta noite foi difícil e o dia está a ser acompanhado de dores pelo corpo todo e sono, muito. Mas nada disso importa porque está a chegar à hora de abrir o sorriso e brincar. 

Os não brinquedos! 

Já hoje se falou aqui no blog sobre brinquedos e em como muitas vezes os “não brinquedos” são muito mais interessantes!

Basta ver os miúdos a brincarem com os tupperwares ou os chinelos e perceber que não há nada a fazer para contrariar isso!

Mas a mim o que me fascina é a paixão pela esfregona, pela vassoura e acessórios afins! Será que dura pelo menos mais 20 anos?  😜

Nós por cá até já temos um vassoura em miniatura e a seguir marcha o aspirador! Nunca se sabe se o bicho da limpeza pega e passamos a ter um ajudante à séria cá em casa! Não custa tentar! 😉 ehehehe

Beijinhos Bárbara

O primeiro dia de uma mãe.

Soube pelo P3 do novo livro da fotografa Jenny Lewis e fiquei logo fascinada pelas brilhantes fotografias que nos apresenta!

Para este livro Jenny fotografou várias mamãs com os seus recém-nascidos nas suas primeiras 24 horas de vida.

As imagens são mágicas e a autora pretende com esta publicação passar a mensagem da dor positiva e da doce vitória sobre o parto em vez de segmentar o medo que as novas gerações tem deste momento.

Resta-me dizer que o resultado é lindo e partilhar com vocês a minha foto das primeiras 24 horas do meu filho. 🙂

IMG_4159

Podia estar no livro da Jenny, mas não está! 😛
No entanto acho que também demonstro a felicidade desta dor positiva!

beijnhos Bárbara

 

Fazer a cama!

Mas é só a mim que custa imenso fazer a cama do miúdo?!

É que estas coisas das proteções na cama são excelentes a nível de segurança mas para fazer a cama dão uma trabalheira.
Acabo sempre a suar e com os dedos doridos de tanto acertar nas barras!

Se calhar sou eu que sou fraquinha 😛

Atira ao chão!

Tenho o miúdo naquela fase em que tudo vai parar ao chão. Tudo!
É o brinquedo, a colher, a papa, o telemóvel, o biberão,  a chupeta, TUDO!

Ele acha piada, ri-se, maravilha-se com a brincadeira.

E nós dizemos que não lhe damos mais nada para as mãos, que as coisas não são para se atirar ao chão, e ele ri-se!
Passado um bocado já nós lhe demos mais alguma coisa e ele recomeça a brincadeira.

Já sei que é normal, que faz parte, que depois passa. Mas até lá não vamos ganhar nenhum problema de coluna? 😛

E as mudas da fralda? É que de atirar as toalhitas ao chão até por a mão numa fralda com presente são 2 segundos!!
Imaginem!

 

 

Exausta!

Tenho o miúdo doente! 

Já repeti esta frase tantas vezes! Está doente! Outra vez! 

Desde domingo que não sei o que é descansar… Estou entre febres, choros e desconfortos, dele. E noites mal dormidas e mal acordadas, dores nas costas, nos braços , na cabeça, minhas! Estou exausta.

O que começou por ser uma constipação, passou a garganta inflamada e otite. E parece-me ainda que os dentes estão a ajudar à festa! Ele está cansado, birrento, chorão, mimado, eu estou um caos! E desta vez nada sweet!

Fecho os olhos, respiro, e penso que ele precisa de mim, da minha boa disposição, da minha ajuda. Abro os olhos e nem sempre é fácil. Penso naquelas mães com filhos doentes, daquelas doenças difíceis… não passageiras..às vezes sem cura! Onde vão buscar as forças?… Devo pensar isto por estar tão cansada… Todas as mães vão arrecadar as forças necessárias para auxiliar os filhos! Sempre. 

Sinto-me a falhar, sinto-me birrenta como se também tivesse febre. Porra que estou exausta! 

Amanhã é outro dia, páscoa finalmente! 

Já vos disse que odeia esta fase da quaresma? Acaba amanhã! E o antibiótico já começa a fazer efeito. Tudo vai melhorar! 

Até amanhã! #desabafo

Machismo? 

Esta semana li um artigo no site da revista Pais & Filhos brasileira em que a autora escrevia que nos cabia a nós, mães, educarmos os nossos filhos para que não sejam machistas.
Concordo plenamente!
Afinal de contas somos nós que lhes temos que ensinar que não há profissões de homens e profissões de mulheres, que não há brincadeiras de meninos e brincadeiras de meninas, etc.
Um rapaz pode vestir uma sweat rosa,  brincar com as irmãs às bonecas , como uma menina pode gostar de jogar à bola ou escolher engenharia mecânica na faculdade.

Isto pensando bem, dá imenso trabalho. Porque verdade seja dita, todos nós (mesmo que inconscientemente) dividimos e classificamos algumas coisas como de homem ou de mulher.

Eu ainda sorrio quando vejo uma mulher a conduzir um autocarro ou quando vejo um homem pronto para fazer uma depilação a uma senhora.
Admitam lá que este último nunca viram! Nem eu!

E estava eu a pensar nesse tal artigo, a meditar de como ia tentar conduzir essa educação, (sim, que só nos vale a pena tentar, que os miudos são como são e não como queremos), a pensar que cedo o miúdo vai começar a ajudar na cozinha,  quando tocam à campainha.

” – Olha é o Sr. do correio!” E trazia dois envelopes!
Num deles uns anjinhos lindos do Mateus, que em breve merecerá um post aqui no blog, e noutro uma linda boneca de trapos.

Encomendei esta boneca de trapos para ajudar a causa da Taissa. São lindas é verdade mas a intenção foi ajudar a Taissa que nasceu com Trissomia 18 e não comprar a boneca.

Assim que abri o envelope pensei logo: “Olha uma boneca de trapos, deixa ver uma menina a quem oferecer! Já sei, vou oferecer de prenda à Matilde que nasce entre hoje e amanhã!”
E depois ouvi os sininhos na minha cabeça: “Então porquê? Bonecas não são para meninos, não é?”

E pronto, meti a boneca para lavar e será brevemente apresentada ao miúdo!
Temos que começar por algum lado não é?Acho que ter uma boneca não faz mal a ninguém! 😉

Sobre o acidente aéreo! #desabafo

Esta merda dos acidentes aéreos é aterradora!

Ainda mais aterradora ficou depois de ser mãe… Imaginar-me com o meu pequenino nos braços numa situação destas e até me falta o ar…

Perdoem-me todas as vítimas e familiares mas só consigo pensar naquela mãe com um bébé de 7 meses no colo a saber que o fim estava ali!

Tamanha agonia meu Deus!