Tag

convidados

Browsing

Já vos disse que vou ser pai?

Já vos disse que vou ser Pai?

Esta foi a frase que mais proferi naquele ano de 1998. Tantas as vezes a disse que os meus amigos já não a podiam ouvir. Mas a verdade é que precisava de a dizer para me convencer disso mesmo. Ia ser pai.

O que ouvia em retorno era qualquer coisa do género: – Estás tramado!

Eu sabia que nada seria como antes, a partir do momento em que essa condição se materializasse naquela vida carregada dos meus genes, cá fora, sob o efeito da gravidade. E nada foi como antes.

Assisti ao parto de ambos os meus filhos. Embora em circunstâncias completamente diferentes, o amor à primeira vista instalou-se, espalhou-se pela minha pele enquanto os segurava e entranhou-se por todos os sentidos, até hoje e será para sempre incondicional.

O primeiro nasceu prematuro e em risco de vida, dele e da mãe. Naquela manhã cinzenta de janeiro, deixei metade dos pneus do Nissan Micra Super S nas ruas do Porto. Uma cesariana de urgência salvou-lhes a vida. Limpei-o, examinei todos os seus poros e vesti-o. Enquanto a mãe era cosida e recuperava do susto, passei uma hora a falar com ele. Contei-lhe tudo sobre este mundo. Falei-lhe das árvores que iria trepar, das abelhas de que iria fugir, das montanhas que iria subir, do mar que o iria envolver, da música que ele já ouvira ainda no ventre da mãe e de outras que ele iria descobrir, do Sporting com que ele iria sofrer, das gargalhadas que iria dar,… falei do frio e do calor, falei da boa comida e de cerveja, falei do que me veio à cabeça e ele ouvia, de olhos fechados, dormindo com expressão de gozo. Quanto mais o olhava, mais se entrelaçava uma ligação tão forte que ainda a sinto hoje quando nos rimos ou discutimos.

O segundo, de outra mãe, nasceu em ultimato: Ou sais daí ou ficas tipo Benjamim Burton. Não queria vir conhecer o mundo e foi uma carga de trabalhos para o tirar do ventre da mãe. Mas lá veio e a rotina foi a mesma, com exceção da fractura da clavícula que resultou do esforço para o trazer à luz da sala de partos. Repetiram-se as emoções, duplicou a paixão o suficiente para agora dividir o amor por dois rebentos e ainda sobrar muito para admirar e agradecer a ambas as mães.

O facto de ser terapeuta especialista em neurodesenvolvimento da criança poderia me ter preparado para muitas coisas inerentes ao que se espera que um filho vá conseguindo fazer ou perceber porque é que as coisas não estão a acontecer como dizem os livros destas coisas.

Mas, como qualquer pai, presumo, não estava preparado para a intensidade das emoções.

E, nós portugueses, temos muita inibição no que se refere a falar sobre emoções. Um filho na nossa vida, é uma paleta delas todas, de todas as cores. Temos de ir aprendendo a geri-las na tela, de forma a que cada pincelada não altere demasiado o equilíbrio das nossas reações.

Nada foi como antes. A partir desses momentos, a minha vida ganhou um propósito que incluía talvez a mais verdadeira das felicidades. Em cada conquista que faziam, em cada descoberta que lhes fazia sorrir, em cada angústia que os fazia vir ter comigo, em cada fralda que lhes mudava, nas histórias que lhes contava, mas também nas zangas que tivemos, no dizer que não, nas explicações dos porquês, nos “desastres” que provocavam às refeições, no espalhar das tralhas pela casa toda, em cada momento, os meus olhos ainda vêem aquele dia em que nasceram e imaginam um futuro para cada um deles. E isso, para mim faz-me sorrir de felicidade.

Claro que nada foi como antes. Alterei as minhas rotinas todas. O trabalho passou a ser visto como um meio. O prazer estava em ir buscá-los ao jardim de infância mais cedo do que eles estavam à espera. Os fins de semana… bem os fins de semana passaram a me cansar mais do que um mês de trabalho. Mas não trocava um fim de semana prolongado ou umas férias em aventuras pré-programadas ou espontâneas numa qualquer montanha ou resort à beira-mar, como as que tinha antes de ser pai e que me permitiram conhecer meio mundo, pela ausência daqueles traquinas. Não trocava liberdade de chegar a casa às horas que fossem, depois de experimentar mais meia dúzia de cervejas, pela ausência do “está na hora de dar banho ao bebé” ou de um “é preciso fazer a sopa dele” ou um “tens de ir à farmácia porque ele está com febre”. Não trocava um fim de semana em pijama pela ausência da experiência de um acordar com um pigalhete aos pulos em cima de mim, às 6 e meia da manhã.

Ser pai permitiu-me conhecer o outro meio mundo. O mundo que nos faz olhar para os outros percebendo que cada um tem uma história feita do que os meus filhos também são feitos: afectos e emoções ou a falta deles, falhanços e sucessos, boas e más interacções, palavras e silêncios, aprendizagens e esquecimentos, frustrações e conquistas.

Sim. nada foi como antes. Só agora, que um já está na faculdade e o outro é um adolescente, é que começo a recordar muito do que fiz antes de eles entrarem na minha vida. Durante as suas infâncias, parece que essa vida aconteceu numa qualquer encarnação anterior. No fundo, comecei a aprender a viver com os meus filhos e descobri a minha religião: ser pai.

Joaquim Faias, terapia ocupacional na carne, música para alimentar a alma, cerveja para os sentidos, utilizador apple desde sempre, Sporting para sempre e pai como religião.

O pai no Caos!

Este é um blogue sobre o doce caos em que a nossa vida se tornou após sermos mães! Tivemos desde o início o objectivo de partilhar experiências, medos, soluções.

No fundo partilhar, ajudar e pedir ajuda com o dia-a-dia de quem tem filhos e com eles tantas e tantas dúvidas. Por esse motivo é que desde o início trouxemos convidados com histórias de vida diferentes das nossas,  mães de gémeos, madrastas, pais que trabalham em continentes diferentes dos filhos, mães com crianças especiais e tantos outros convidados fabulosos!

Durante muito tempo ao primeiro domingo de cada mês contávamos com a participação especial da querida Nutricionista Sandra Almeida e os seus artigos de nutrição infantil. 

Depois lançamos o desafio de nos contarem as histórias dos vossos partos, e tivemos tantas partilhas que de certeza ajudaram quem nos lê desse lado.

Agora chegou a vez do Pai! A partir de amanhã, ao primeiro domingo de cada mês, teremos um post especial escrito por um pai.  Vamos partilhar com vocês o doce caos visto pelo pai.

O pai de serviço no Caos será o Paulo Couto que já foi nosso convidado anteriormente e como poderão ver tem o dom da escrita e do humor!

Ocasionalmente outros pais se poderão juntar a nós e qualquer papá poderá enviar-nos o seu texto para blog@sweetcaos.com

Esperamos continuar a atingir o nosso objectivo e partilhar com vocês pontos de vistas sempre diferentes sobre o doce caos da vida de quem tem filhos.

Esperamos que gostem! 🙂

Os Pais no Caos

Vocês já sabem que adoramos ter convidados aqui no blog. Todas as histórias são importantes e as nossas crianças são únicas mas cheias de semelhanças.

Temos uma área no blog só para os convidados onde todos podem partilhar as aventuras da parentalidade connosco, é só mandar email para blog@sweetcaos.com.

Achamos também importante dar voz aos pais e temos feito sempre questão de convidar homens para escrever sobre o modo como lidam com a parentalidade. Com tantos textos fantásticos decidimos criar uma área específica para que possam partilhar as suas histórias. Reunimos todos os textos dos papás aqui.

Teremos muitas novidades em breve! Por isso fiquem atentos. 🙂

Síndrome de Ansiedade

Desde que me lembro sofro de Síndrome de Ansiedade…

Recordo-me de estar na escola e sentir vários sintomas: as mãos a suar, o coração a palpitar e uma sensação de estar fora do meu corpo.

Naquela altura sentia que era um assunto tabu, talvez devido à falta de compreensão por parte das pessoas que me rodeavam, algo muito comum a quem nunca sentiu na pele este problema. Vi por exemplo, muitas vezes a minha mãe a chorar porque não sabia o que fazer comigo, principalmente quando muitos familiares e a maioria dos médicos a quem recorríamos, diziam que era mimo. Cresci então como a miúda mimada cujas reações envergonhavam facilmente a família.

Como é normal naquela idade eu era uma criança cheia de sonhos e objetivos, mas devido a esta condição muitos deles tiveram de ficar para trás.
Desses sonhos havia alguns que sobressaíam: ser uma mulher independente, encontrar alguém especial – o amor da minha vida, como sempre gostei de dizer – e construir uma família.
Quanto a ser independente, mesmo sendo algo extremamente difícil para quem sofre de Síndrome de Ansiedade, ainda hoje em dia faz parte da minha luta. Mas apesar de todas as barreiras impostas por esta condição, consegui criar o meu próprio negócio, um feito do qual muito me orgulho.
Quanto ao outro, a verdade é que tanto sonhei e desejei que consegui encontrar alguém que me aceita como sou e ainda por cima me admira ao ver como luto diariamente sem desistir, contra os obstáculos que este problema me coloca, como as crises de ansiedade, os pontuais ataques de pânico, etc.
Para conhecer essa pessoa foi preciso a ajuda de um certo passarinho azul muito conhecido por sinal, que nos juntou em pouco tempo. O Twitter!
Apesar de tomar a pílula acabei por engravidar, não tendo a noção naquela altura que certos medicamentos para a ansiedade e depressão ajudam a atenuar o efeito da pílula.
Mesmo sendo uma surpresa inesperada ficamos muito felizes, tendo sido desde logo algo muito desejado!
Após o “carrossel” inicial de emoções entre o choque e a felicidade que esta maravilhosa notícia me fez sentir, dei por mim a pensar na medicação que tomava e no impacto que poderia ter na gestação do bebé. Como é que eu iria eu gerar um bebé e ao mesmo tempo tomar os medicamentos indispensáveis para tratar e controlar o meu problema? – perguntei a mim mesma muitas vezes de lágrimas nos olhos.
Consultei então a minha médica ginecologista que desde logo me encaminhou para uma psiquiatra de forma a se traçar um plano de redução da medicação.

Esta foi uma fase muito difícil porque logo de início comecei a sentir a falta da medicação e fui-me abaixo… Havia dias em que fazia o caminho de casa para o trabalho sempre a falar ao telemóvel para não ter de pensar na possibilidade de ter uma crise de ansiedade.
A intensidade com que vivi os três primeiros meses da gravidez foi muito grande ao ter que ao mesmo tempo reduzir a medicação, – entretanto já noiva – ter que organizar o meu casamento e tratar do processo de compra de casa… Se para uma pessoa que não sofre deste tipo de patologia gerir tudo isto ao mesmo tempo (e em pouco tempo) seria muito complicado, o quanto não o foi para mim.
Com toda esta turbulência acabei por ter alguns pequenos sustos com a gravidez – perdas de sangue, constantes idas às urgências, etc. – tive que saber muito bem gerir os meus níveis de ansiedade e stress, porque sabia que se eu me alterasse quem iria sofre era o bebé. Para isso tentei aprender alguns truques ao nível da respiração e ouvia música para me acalmar e relaxar, mas acabou por não ser o suficiente.
Cada vez mais fiquei “presa” a este síndrome que teimava em dominar a minha vida. As palpitações, os suores frios, a falta de segurança em mim própria e medos como o de perder o bebé ou o de eu morrer, eram cada vez mais uma constante.
Uma vez mais voltei a recorrer às médicas que me acompanhavam, aconselhando-me desde logo repouso absoluto, fazendo também os ajustes necessários na medição que tomava. E para piorar a minha situação a empresa para quem trabalhava aproveitou o fato de eu estar grávida para não renovar o contrato de trabalho, ficando sem emprego e sem qualquer tipo de rendimento.
Isto afetou-me bastante porque como já mencionei, sempre valorizei ser uma mulher independente e jamais me via a ser sustentada por quem quer que fosse.
Foi por esta altura que senti dentro da barriga o primeiro pontapé do meu filho. Senti-lo desta forma fez-me ganhar um novo animo e prometi a mim mesma que não iria desistir de lutar para trazer ao mundo um bebé saudável.
O suporte familiar foi também essencial para o conseguir, e o apoio que tive especialmente do meu marido e da família mais chegada, foi incrível!
A entrada para o último trimestre da gravidez tinha já engordado mais de 20kg, o que me trouxe algumas complicações ao nível da coluna, pernas e nervo ciático, começando a ter dificuldades em caminhar. Por isso foi com uma enorme sensação de alívio – e recordo-me como se fosse hoje – o dia em que ficou marcada a cesariana. A ansiedade de ter o meu filho nos meus braços era muita.
Quando finalmente chegou o dia curiosamente acordei calma e dei entrada no hospital apenas com o meu marido, para evitar a ansiedade dos restantes pessoas, mantendo à minha volta um ambiente tranquilo. Subi para a sala de cirurgia bastante tranquila onde pouco depois iria sentir um alívio enorme nas dores no nervo ciático graças à epidural.
Mal me foi administram a epidural o meu marido entrou e sentou-se do meu lado a dar-me a mão.
Numa questão de poucos minutos ouviu-se um choro de bebé, e ao ver o meu marido lavado em lágrimas de felicidade, caí em mim: Já sou mãe!
Logo de seguida puseram-no junto a mim e num momento muito íntimo por entre uma “chuva” de beijinhos, prometi que iria protege-lo enquanto fosse viva!
Senti desde aquele primeiro segundo como se já o conhecesse desde sempre.
Foi sem dúvida o momento mais feliz de toda a minha vida!
Como todo o processo da cesariana correu dentro da normalidade, não demorei muito em descer para o meu quarto para descansar e partilhar com a restante família – que entretanto foram chegando – este momento de alegria e amor!
Hoje sinto que sou uma pessoa mais completa e confiante, que luta diariamente para que o meu filho cresça feliz e pelo amor que me une ao meu marido.
Provavelmente terei que viver com isto a minha vida toda, e se assim for, que seja… Porque sou muito feliz!!

 

Joana Macedo Silva

 

Queria Joana, muito obrigada pela tua partilha e pela tua coragem! Desejamos-te tudo de bom e que continues a vencer no teu caminho! <3

E o vosso parto?

Quando falamos em maternidade, em gravidez, surge logo o bicho papão: O Parto!

Foi por isso que cá no blogue nos lembramos de desafiar algumas amigas a partilharem as suas histórias. Umas são simples, outras são atribuladas, mas todas trazem um final feliz com um bebé ou dois! 🙂
E é nisso que sugerimos que se foquem! O parto tem que acontecer, seja natural, seja com anestesia, seja de cesariana. É assim que se nasce! Ponto!

Assim durante os próximos tempos vamos partilhar com vocês histórias de partos, todos diferentes, mães que defendem o parto natural, mães que escolhem a cesariana, mães que decidiram uma coisa e no final decidiram outra, mães que não tiveram escolha.  Não fujam!! Queremos que aceitem o parto, que entendam as opções e as motivações, que não julguem, que ouçam estas mães.

E gostávamos ainda de convidar as nossas leitoras a participarem também nesta iniciativa! Contam-nos o vosso parto para o partilharmos?
Enviem-nos um email para sweetcaos2@gmail.com

O primeiro testemunho será publicado ainda esta semana e se quiserem podem rever o meu texto sobre o meu parto, aqui.

 

 

“São dois!”

“São dois!”

Foram estas as palavras do médico obstetra que me acompanhava na gravidez.

Friamente diz-me: São Dois!

O meu cérebro congelou. Fisicamente, senti as lágrimas correrem-me pelo rosto num misto de felicidade e de pânico, um formigueiro nas pernas.
Ouvir dois pequenos corações em disparo é a melhor sensação do mundo.

Mentalmente, não conseguia processar a informação, apenas tentava perceber como tinha sido possível isto acontecer traçando mentalmente em flashes toda a árvore genealógica da minha família e da do meu marido tentando encontrar uma explicação. Para ajudar, os meus pensamentos descambaram ainda mais: vou ter que mudar de casa! e de carro! Como vou ter dinheiro para dois bebés!? Como é que isto me foi acontecer?

Fui despertada pelo meu marido que me apertava os pés com um sorriso que naquele momento me pareceu pateta: São dois! Que giro! Dizia ele.

Devo ter ficado de tal forma apática que o médico me interrompeu os devaneios: “Desculpe, já percebi que não estava à espera!”

É verdade! Não estava à espera, nenhuma mamã de 1ª viagem estaria.
Muito menos percebendo desde logo os riscos implicados neste tipo de gravidez, que é vivida sempre em cima da linha: hoje estão dois mas amanhã podem não estar! É isto que ouvimos quase até ao 4º mês de gestação. Os restantes 5 meses são passados na agonia da possibilidade de parto prematuro!

A minha história é feliz! Apesar de algumas contingências pelo meio da gravidez os meus bebés nasceram saudáveis às 38 semanas de gestação.

Aqui começa a minha história! Mãe de gémeos!

Quando recordo os primeiros seis meses de vida dos meus bebés confesso que tenho a sensação de ter perdido alguns momentos. Ser mãe de gémeos significa não ter descanso entre os momentos de amamentação. Recordo-me de uma altura em que andava pela casa em estado morta-viva, praticamente sem ouvir nada e só conseguia emitir monossílabos, tal era o cansaço.

Recordo-me de tentar sair de casa sozinha com os gémeos, por exemplo para comprar fraldas, e acabava sempre por demorar três horas, duas das quais fechada nos fraldários a dar de mamar aos bebés.

Quando vamos pela rua com um carrinho duplo que mal cabe nos elevadores e que ocupa todo o corredor inevitavelmente somos abordados na rua. E lá vema pergunta da praxe “São Gémeos?”. Honestamente e até em tom de desabafo, ainda hoje não percebo bem que tipo de resposta pretende obter alguém que faz uma pergunta destas a uma mãe que empurra um carrinho com 2 bebés iguais! A quantidade de vezes que me apeteceu responder…
“Não! São primos!”

Mas olhando para trás, apesar da violência psicológica que implica todo este processo, tenho de confessar… Sou feliz a dobrar!

Ser mãe de gémeos é ser arrebatada de amor incondicional duas vezes ao mesmo tempo. É ter uma explosão de sentimentos de orgulho, felicidade, vitória tão grandes que não cabem no peito.

É andar sempre no limite das forças! É pegar em 20kg ao mesmo tempo porque os dois querem colo ao mesmo tempo! Demorar 1h30 para sair de casa com três mochilas e mesmo assim faltar sempre alguma coisa! É ser os primeiros a chegar ao restaurante para poder ter 2 cadeirinhas de bebé disponíveis! É correr cinco centros comerciais na mesma cidade só para conseguir arranjar duas peças de roupa iguais! É pensar sempre se o lugar de estacionamento é suficientemente largo para abrirmos as cinco portas do carro! É desesperar com o dobro dos custos em roupa e em fraldas! É ir às urgências em dois dias diferentes por causa da mesma doença porque um fica doente num dia e o outro no outro! É lavar, passar e dobrar o dobro da roupa!

Mas é também ter o dobro do amor! O dobro dos beijos! O dobro dos abraços! O dobro do orgulho! O dobro do carinho! É ser a mãe mais completa do mundo por cada vez que correm dois tesouros para os meus braços no final do dia! É ser completa! É ser rica!

Ser mãe de gémeos é ter um tesouro milionário para toda a vida!

 

 

Daniela Alves é bancária e passa o dia a lidar com dinheiro, mas os verdadeiros tesouros dela estão em casa e são gémeos. 

 

Verão! 

Chegou o verão! Urra!!

E porque hoje todos deviam ir à praia demos folga aos convidados! Mas no próximo domingo já estão de volta!

Agora deixem os pc’s, os tablets, os smartphones e upa para a praia que estaá espectacular!

Bem-vindo verão! 🙂

DoCoração DaCozinha

Faz hoje 17 anos e tive um dos dias mais estranhos da minha vida. Tinha uma loja para inaugurar e um filho para nascer. Aconteceram as duas coisas no mesmo dia.

Tu, Sarrafooo apressado lembraste-te de sair a correr, porque a mãe Kika Veríssimo apanhou um esticão na montra das frutas tropicais e rebentaram-lhe as águas.

Seguiram-se horas muito complicadas.

Primeiro porque tive que ir levar o boxer a casa e esqueci-me de o deixar na varanda e à solta desmanchou-nos metade da casa, comeu meio telefone, 3 kg de cebolas e um chorrilho de disparates. Depois tinha que vos ir levar ao hospital Garcia de Orta, porque o trânsito estava parado por todo o lado e era o sítio mais perto para nasceres.

És um Incrível Almadense, um Cavalo de Corrida, um UHF mal sintonizado.

Fizeste-nos rir e chorar, saíste cheio de avarias, com o disco rigido empenado, ataques cardíacos, paralisias e o diabo a 4. Olhei para ti e dei-te o primeiro biberão e ainda estava tão alcoolizado da festa que fiz horas antes que acho que te embebedei com a minha respiração.

Percebi que tinhas nascido diferente, muito diferente do que estávamos à espera… só abrias um olho por causa da paralisia facial, mas quando o fizeste olhaste para mim e disseste “blhergh”. Por causa disso, durante o teu primeiro ano de vida, ganhaste a cognome de Blherguinho.

O primeiro ano da tua vida encheu-nos de sarilhos, hospitais, fisioterapias, médicos e juntas médicas. E tu, Sarrafo, foste galgando adversidades e deste-nos força para ir atrás de ti. Estiveste ligado a mil máquinas, em coma profundo e um dia resolveste dar-nos outra vez o prazer da tua companhia e acordaste, ao lado da tua avó Hélia, que rezava todos os dias por ti e por mim, porque rezar sabes que é coisa que faço tão bem como cantar ópera.

Ensinaste-me a viver. Ensinas-me a viver todos os dias. Ao fim de 17 primaveras, este é o 1º aniversário que não passamos juntos, mas estás bem com a “mãe bizológica” como lhe chamas, a mãe Kika, porque tens a mania das grandezas e resolveste arranjar outra mãe, a Mãe Supi Ana. Cada vez que sais de ao pé de mim, roubas-me o coração.

És uma das minhas duas obras primas, agora estraga-te não te esqueças.
Rock´n´roll!

Joe Best é o brabo pai do Ricardo. Chef extraordinaire e criador do projecto Da Cozinha.

Ilustração: My Simple Life