Tag

felicidade

Browsing

Dia Mundial das Pessoas Felizes

Enganei-me? É dia Mundial da Criança? Desculpem lá mas conhecem pessoas mais felizes que os miúdos?

Conhecem gargalhada mais genuína?

No outro dia estávamos, a observar uma brincadeira tonta do Sebastião com os gatos. Eles corriam pela casa, quase como se estivessem a brincar à apanhada e ele ria-se à gargalhada.

Nesse momento, o pai virou-se para mim e disse: Nós já não rimos assim.

É verdade, nós com a idade vamos perdendo esta capacidade de rir tão enérgica e natural como as crianças. Claro que continuamos a rir mas o riso deles é diferente do nosso, é completamente livre. Parece que riem com o corpo todo.

As crianças são felizes naturalmente e precisam tão pouco para o serem.

Por isso, hoje propomos que além dos mimos e presentes que queiram dar aos vossos miúdos os façam rir.

Vamos roubar gargalhadas aos nossos pequenos e comemorar o Dia Mundial das Pessoas Felizes.

P.S. Já escrevemos aqui no blog sobre a importância cívica, social e política deste dia, lembrem-se que não é só mais um dia para fazermos actividades giras com os bebés e crianças.

 

Não digam a ninguém

Com a entrada na creche começou a saga das viroses lá em casa.

Vai uma semana, fica uma semana em casa. Por isso esqueçam toda e qualquer rotina, aquilo lá em casa anda um caos.

A última semana ficou em casa com a avó. Apesar da tosse, no fim-de-semana já se sentia muito melhor. Muito melhor significa: levantar-se pouco depois das 8h e não parar um segundo.

Sim, é óptimo crianças activas.

Sim, é sinal que já está melhor.

Sim, é capaz de nos levar à loucura.

Por isso quando chegou ontem o final do dia, eu só pensei: Amanhã é dia de trabalho!

giphy

Make every moment count…

Não sabemos o que a vida nos traz no segundo a seguir… E ainda bem. 

Não saber o futuro traz-nos leveza mas não pudemos guardar o melhor da nossa vida para depois. 

A nossa vida é agora. Passa a correr. 

Ao abrir uma gaveta encontrei fraldas número 3. Claro que não foram as mais pequenas que usou mas aquelas andavam ali perdidas. 

O meu bebé já foi assim tão pequeno? Passou tão rápido. Passa tão rápido.

Aproveitem todos os dias, todos os minutos

Pequenos Nadas! 

A vida é feita de pequenos nadas, já dizia o outro.

E a verdade é que quando temos filhos esta frase acentua-se e paira nas nossas cabeças de uma forma constante, pelo menos na minha.

Aquele sorriso, aquele primeiro “sim” sonoro, a primeira vez que brinca mais de 5 minutos sozinho, aquela vez que nos abraça com saudades, aquele beijinho atirado pelo ar, o primeiro “mostra os dentinhos”, todas as palavras que diz de novo que nos surpreendem!

Pequenos nadas que no dia-a-dia não ligamos e que quando temos filhos em fase de aprendizagem são tão grandes e maravilhosos.

E eu sinto-me tão feliz e realizada por estes pequenos nadas do meu filho!

E porque o amor também é feito de pequenos nadas, ilustrei o artigo de hoje com uma foto cheiinha de amor!

Bom domingo 🙂

“São dois!”

“São dois!”

Foram estas as palavras do médico obstetra que me acompanhava na gravidez.

Friamente diz-me: São Dois!

O meu cérebro congelou. Fisicamente, senti as lágrimas correrem-me pelo rosto num misto de felicidade e de pânico, um formigueiro nas pernas.
Ouvir dois pequenos corações em disparo é a melhor sensação do mundo.

Mentalmente, não conseguia processar a informação, apenas tentava perceber como tinha sido possível isto acontecer traçando mentalmente em flashes toda a árvore genealógica da minha família e da do meu marido tentando encontrar uma explicação. Para ajudar, os meus pensamentos descambaram ainda mais: vou ter que mudar de casa! e de carro! Como vou ter dinheiro para dois bebés!? Como é que isto me foi acontecer?

Fui despertada pelo meu marido que me apertava os pés com um sorriso que naquele momento me pareceu pateta: São dois! Que giro! Dizia ele.

Devo ter ficado de tal forma apática que o médico me interrompeu os devaneios: “Desculpe, já percebi que não estava à espera!”

É verdade! Não estava à espera, nenhuma mamã de 1ª viagem estaria.
Muito menos percebendo desde logo os riscos implicados neste tipo de gravidez, que é vivida sempre em cima da linha: hoje estão dois mas amanhã podem não estar! É isto que ouvimos quase até ao 4º mês de gestação. Os restantes 5 meses são passados na agonia da possibilidade de parto prematuro!

A minha história é feliz! Apesar de algumas contingências pelo meio da gravidez os meus bebés nasceram saudáveis às 38 semanas de gestação.

Aqui começa a minha história! Mãe de gémeos!

Quando recordo os primeiros seis meses de vida dos meus bebés confesso que tenho a sensação de ter perdido alguns momentos. Ser mãe de gémeos significa não ter descanso entre os momentos de amamentação. Recordo-me de uma altura em que andava pela casa em estado morta-viva, praticamente sem ouvir nada e só conseguia emitir monossílabos, tal era o cansaço.

Recordo-me de tentar sair de casa sozinha com os gémeos, por exemplo para comprar fraldas, e acabava sempre por demorar três horas, duas das quais fechada nos fraldários a dar de mamar aos bebés.

Quando vamos pela rua com um carrinho duplo que mal cabe nos elevadores e que ocupa todo o corredor inevitavelmente somos abordados na rua. E lá vema pergunta da praxe “São Gémeos?”. Honestamente e até em tom de desabafo, ainda hoje não percebo bem que tipo de resposta pretende obter alguém que faz uma pergunta destas a uma mãe que empurra um carrinho com 2 bebés iguais! A quantidade de vezes que me apeteceu responder…
“Não! São primos!”

Mas olhando para trás, apesar da violência psicológica que implica todo este processo, tenho de confessar… Sou feliz a dobrar!

Ser mãe de gémeos é ser arrebatada de amor incondicional duas vezes ao mesmo tempo. É ter uma explosão de sentimentos de orgulho, felicidade, vitória tão grandes que não cabem no peito.

É andar sempre no limite das forças! É pegar em 20kg ao mesmo tempo porque os dois querem colo ao mesmo tempo! Demorar 1h30 para sair de casa com três mochilas e mesmo assim faltar sempre alguma coisa! É ser os primeiros a chegar ao restaurante para poder ter 2 cadeirinhas de bebé disponíveis! É correr cinco centros comerciais na mesma cidade só para conseguir arranjar duas peças de roupa iguais! É pensar sempre se o lugar de estacionamento é suficientemente largo para abrirmos as cinco portas do carro! É desesperar com o dobro dos custos em roupa e em fraldas! É ir às urgências em dois dias diferentes por causa da mesma doença porque um fica doente num dia e o outro no outro! É lavar, passar e dobrar o dobro da roupa!

Mas é também ter o dobro do amor! O dobro dos beijos! O dobro dos abraços! O dobro do orgulho! O dobro do carinho! É ser a mãe mais completa do mundo por cada vez que correm dois tesouros para os meus braços no final do dia! É ser completa! É ser rica!

Ser mãe de gémeos é ter um tesouro milionário para toda a vida!

 

 

Daniela Alves é bancária e passa o dia a lidar com dinheiro, mas os verdadeiros tesouros dela estão em casa e são gémeos. 

 

No meio

Os nossos dias são complicados. Uns dias mais do que outros.

A correria do casa-trabalho-casa sufoca-nos.

O relógio que não pára. A vida que não pára. Tudo o que ainda queremos fazer. Tudo o que ainda falta fazer.

O futuro que ansiamos e que rapidamente passa a presente e vai desaparecendo no passado.

Às vezes parece que nem respiramos. É tudo tão rápido.

Os minutos que não pausam. Ainda agora nos levantámos e já está na hora de dormir. Nos entretantos passou a vida.

E no meio disto tudo… a felicidade.

A vida está a acontecer e nós somos felizes.

(Vou tentar não me esquecer.)

Memórias 

Esta manhã dei comigo a pensar que quando o meu filho crescer não se vai lembrar das manhãs que passei com ele a brincar na nossa sala enquanto ele é bebé!

Não se vai lembrar do tanto que se ria, nem do tanto que eu ria!

Não se vai lembrar das vezes que ao fim-de-semana me levanta da cama ainda antes das 8 e eu não me importo!

Não se vai lembrar do quanto é feliz! 

Mesmo assim faço o melhor que sei e dou-lhe o melhor de mim! Mesmo assim sei que lhe estou a criar as memórias para ser uma pessoa feliz, mesmo que ele não se vá lembrar delas!

Eu por outro lado, nunca vou esquecer!