Tag

filhos

Browsing

Actualizações da vida!

Muitas são as noites em que após estar a casa a dormir me lembro de vos vir cá contar as coisas de que se tem feito a nossa vida, mas depois acabo por não o fazer! Tenho tantas histórias em atraso que isso acaba por servir como desculpa para não escrever! 

Fomos de férias para um sítio incrível e quero muito contar-vos isso! 


A Flor já tem seis meses (!!!) , dois dentes e já está no infantário! 😳 isto tudo! Imaginem! 

O Vicente está cada vez mais crescido e com um discurso cada vez mais maravilhoso. 

A semana passada estivemos TODOS doentes, virose! E digo-vos que me senti para morrer! Custa-nos mais a nós que a eles esta coisa das viroses não é?! Jizas! 

A nossa casa nova está “quase” pronta. Está na fase das especialidades! O carpinteiro, o electricista, o pintor e parece que se não formos todos os dias lá a coisa sai sempre ao lado! Estamos tão mas tão ansiosos e gostávamos tanto de já lá passar o natal!🤞

Os projectos continuam a fazer-me ter vontade de fazer mais e melhor! E espero ter muitas novidades sobre eles para breve 😀

E pronto, assim em algumas linhas, ficam a par da vida. Amanhã há mais! Espero! 😘

As dúvidas! 

E quando o amor não chega?

E quando as nossas forças parecem perdidas na nossa mente e não nos lembramos de mais nada a não ser gritarmos? 

E quando achamos que estamos a fazer tudo mal e que tudo está mal? 

E quando a frustração se agarra a nós e não conseguimos gargalhar?

É quando nos deitamos que pensamos que achávamos que era fácil criar, educar, amar… que tontos éramos antes de sermos pais. 

As palavras por dizer!

Vão ao médico. Frequentem a consulta de planeamento familiar todas as semanas. Usem preservativo, dispositivo intrauterino, o anel, o adesivo e o implante. Espermicida inseticida e óleo de fígado de bacalhau. Laqueiem as trompas e façam uma vasectomia. Deixem crescer todos os pelos do corpo, não usem desodorizante, fio dentário ou pasta dentífrica. Não tomem banho se preciso for! Abstenham-se raios. Cuidem da vossa saúde, não tenham filhos, por favor.

Agora olha para cima, volta atrás e lê tudo do inicio. Posso trata-lo por tu? Chegados aqui, vou assumir que sim, somos amigos.

O que ninguém nos diz antes de sermos pais, é que depois de ter um filho viveremos para sempre no medo de o perder. E não é metáfora, não me refiro a perder um bebé que cresce e depois é do mundo, nada disso, perder perder, ver sofrer ou até morrer. Porque depois da euforia do nascimento nasce essa angustia, incerteza amarga, será que o vou deixar cair, estou a pegar bem, ainda parto alguma coisa, e se ele sufoca a dormir, a morte súbita é um risco, e no carro, vou mudar de carro para um mais seguro, e comprar uma cadeirinha com triplo airbag e atmosfera protetora. Porque agora tudo pode acontecer, e ele é tão frágil, que o único objetivo das nossas vidas é protegê-lo, com a nossa própria vida se for preciso. E não estou a exagerar.

E não acontece nada, ou acontece tudo. Nasce prematuro e os pais acordam de imediato para um limbo de muitas semanas de dúvidas, alimentadas por esperanças. Nasce bem e saudável mas um simples vírus, uma poeira de merda de tamanho microscópico, atira a vida do recém nascido para um novelo de indecisões, onde os pais se embrenham até à ponta do último fio, incapazes e impotentes, jurando dar a vida pelo ser que acabaram de conhecer. Correndo bem tudo se esquece, mas fica o medo, esse fica sempre.

Eles crescem. De bebés se tornam crianças, as saudades que sentimos do primeiro estado, e à medida que crescem qualquer percalço é um apocalipse. Da gripe à varicela, dos cinco pontos na cabeça à perna partida, do choro por perder um amigo à asma asfixiante. 

Ver um filho sofrer é um desastre de proporções inimagináveis. É uma dor na alma, um sobressalto constante. Um filho longe e um telefone a tocar é pólvora ao lado de fogo. E nada nos prepara para isto, nem as imagens da Síria vista no jornal da noite.

Por isso deixo o conselho, que não é ensinamento, mas sim aviso. Na preparação para o parto ninguém nos ensina a sofrer, ninguém nos avisa que vai ser assim para sempre, em todos os dias da nossa vida, ter filhos é ter medo de os perder.

Ainda aqui estás, posso continuar a tratar-te por tu? Vou dizer-te o que os teus outros amigos calaram. Não estás disponível para sofrer, todos os dias, pelos filhos? Volta ao inicio deste texto. Lê todo o primeiro parágrafo, repetidas vezes, até ao fim.

Há sangue suor e lágrimas no caminho da felicidade.

 

(Este texto é escrito ao abrigo do antigo e do novo acordo ortográfico. Num país que criou muitos mestiços eu gosto de misturas)

 

Paulo Couto

2 de Julho 2017

Paulo Couto é pai da Olívia e do Xavier, é empresário e realizador com alma de viajante. Vejam alguns dos seus trabalhos aqui



Os créditos da foto são mais uma vez da Marta Marinho, mulher do Paulo e excelente fotógrafa.

Manas L e duas experiências tão diferentes!

1ª experiência – LEONOR

Tal como a Bárbara eu tinha horrores ao parto e adiei a maternidade por 5 anos, até que cheguei aos meu 30 anos e disse para mim, ou é agora ou nunca… E foi, engravidei da Leonor.

Quando soube que estava grávida, fiquei tão feliz que nem me lembrei que ela tinha de sair passados 9 meses (ui que medo).
A gravidez foi passando, mas pelas 14 semanas de gestação esta “menina” pregou um susto à mãe, tive descolamento da placenta e “atiraram-me” para uma cama até quase ao fim da gravidez.
Cada vez que fazia uma ecografia a médica dizia-me, cuidado mãe podemos ver algo menos bom, mas eu só dizia: “nada disso Dra. este bébé vai nascer lindo e saudável, eu sinto”, e assim foi.

No dia 11 de Setembro de 2011 estava eu sentadinha no sofá a ver as notícias sobre o que se tinha passado no atentado do 11 de setembro, quando fui ao WC fazer xixi e, ui o xixi não parava de sair, corri para a sala pedi ajuda ao pai dela e lá fomos para a maternidade, cheguei lá perguntei à enfermeira: “já posso ir para casa? já parei de fazer xixi e só tenho parto marcado para dia 15 de setembro, até lá ainda me falta comer a minha bola de berlim.”  Resposta da enfermeira: “Nada disso mãe, vamos analisar a mãe e ver os batimentos da bebé e prepará-la para o parto, não tarda nada a rapariga está cá fora!!!”
Entrei em pânico, tal como a Bárbara, também tive as aulas de preparação para o parto mas que não me serviram para nada.
Lá fui eu para a sala de partos e só ouvi a e enfermeira dizer ao pai para ir para casa e que regressasse de manhã.
Passei a noite toda a ouvir gritos de outras mães e eu nada… nada… e nada e só pensava que algo estava errado, todas gritam com dores menos eu, eu não tenho dores e passaram-se assim 17 horas sem dores, sem nada, até que um médico chegou junto de mim, fez-me o toque e disse: “Vamos lá!”! E eu perguntei “para onde?” e ele respondeu: “conhecer a sua filha”.
Disse-lhe que  não tinha dores e estava bem mas o médico respondeu que era por isso mesmo, que a  menina tinha decidido sentar-se e dormir mais um pouco, portanto tinhamos de acordá-la e apresentar-lhe a sua nova vida.
E lá fui eu e ela para o bloco.
Despedi-me do pai dela e fomos as 2.

A rainha Leonor nasceu de cesariana a 12 de setembro de 2011, pelas 14h, com 50cm e 3140kg.
A Leonor chorou, a mãe chorou!
Estava com uma conjuntivite e tinha de ter muito cuidado para não lhe transmitir mas a minha filha era e é perfeita, linda, fantástica e é a minha melhor amiga, pois a Leonor apesar de criança já me apoiou tanto….

Foi um parto fantástico feito pelo Dr. Vitor na maternidade Júlio Dinis, nunca ouvi tantas anedotas durante um parto, posso dizer que o meu foi divertido e que no final correu bem!
A Leonor nasceu numa 2ª feira, passado uma semana eu já conduzia, claro que tive muitas dores no pós-parto, mas sempre aguentei bem, tão bem que passados 28 meses repeti a experiência.

Leonor

 

2ª Experiência – LAURA

Como já disse anteriormente adorei tanto a experiência de ser mãe como a do parto, apesar de tudo tinha corrido tão bem, que passados 28 meses a história repetiu-se mas com algumas grandes diferenças.

Voltei a engravidar e a 24 de janeiro de 2014, com 39 semanas, e parto marcado para este dia, dei entrada pelas 7h30 da manhã na maternidade. Desta vez consegui comer a minha bola de berlim.

Deixei a minha filha Leonor com os meus pais e fui o caminho todo a chorar para a maternidade, pois ia ter outra filha, mas tinha deixado outra que tinha 28 meses.
Quando temos outro filho a sensação de ter outro é boa, mas ao mesmo tempo preocupante, pois eu ia com receio que alguma coisa corresse mal… e deixasse para trás o meu bem mais precioso, a minha filha Leonor.  É mesmo uma sensação muito estranha, não sei explicar, foi um medo que se apoderou de mim,  fiquei muito ansiosa, só queria chegar à maternidade e que a Laura nascesse rápido para eu puder estar com as duas… Desculpem este meu desabafo, mas foi assim que me senti!
Cheguei à maternidade e examinaram-me, certificaram-se dos batimentos cardíacos da minha filha, mandaram-me trocar de roupa e fui para uma cama. Passados 10 minutos chega a médica, apresentou-se disse que seria a equipa dela a fazer-me o parto, fez-me algumas perguntas e após isso, começou o meu terror, desculpem, mas foi mesmo assim um filme de terror que parecia não ter fim… provocaram-me o parto, rebentaram-me as águas…
Em termos de comparação, sabem aqueles espetos de assar os frangos??? Pois foi mais ou menos assim que me rebentaram as águas, primeiro deram-me uma medicação intravenosa, depois vieram enfermeiras e agarraram-me nos braços, depois a médica com dito “espeto” e já está, ai se pudesse naquele momento tinha-me atirado a ela, doeu tanto, mas tanto que eu só pensei magoaram a minha bebe, mas não! Senti-me toda molhada a esvaiar-me toda de água, urina e sei lá que mais, fiz a minha comparação com uma gata a parir.
Eu só dizia, “Dra. eu fiz uma cesariana há 28 meses, não corro riscos, não é melhor fazerem-me outra?” e ela respondeu-me “você é médica? o protocolo diz que só se for inferior a 24 meses, a sra, já passou mais 4 meses”. Pois, pensei eu, ela terá razão.
Trocaram-me a roupa e mandaram-me para o corredor andar, como se eu pudesse, pois se da Leonor não senti dores, da Laura senti e muitas…. Só Deus sabe o que se passou ali…
Andei, andei, andei, conversava muito com o meu pai pelo telemóvel, chorava muito, tinha fome e sede, só queria ver a minha filha Leonor e ter a minha filha Laura nos braços.
Estive a maior parte do tempo sozinha… sentia-me só…. Até que pelas 20 horas me mandam para a BOX, começam a dar a epidural.
“Bolas!” disse a anestesista. Eu estava sentada de cócoras e cheia de dores, mas perguntei, “Passa-se alguma coisa?” Respondeu que sim, que ia doer um pouco porque a agulha partiu!
OK, mais umas dores, mas lá me aguentei. Mandaram-me deitar na cama, medem tensões, os batimentos meus e a da minha filha, dão-me medicação, sei lá mais, que me fizeram, até que me levantei e disse: “Estou aqui desde as 7h30 da manhã, já passam das 20h e a minha filha não nasce, o que se passa???”
Lá vem a médica, mais medicação, só que desta vez acho que foi para me acalmar. Estava sozinha numa sala que parecia o inferno, acho que estava tão anestesiada que  deixei de sentir as dores. Apanhei uma infeção, ganhei febre e a minha filha não nascia…. Só pensava na minha outra filha que tinha ficado com os meus pais.
Fiz a dilatação toda, e não só… eram meia-noite, tinham mudado de equipa, entrou uma médica para me ver e só me lembro dela começar a gritar e a pedir ajuda, a minha filha tinha entrado em sofrimento, pois ela queria sair, mas eu não estava a ajudar muito, tinha as contrações no máximo, mas não sentia nada, nem as dores.
Lembro-me da médica e dos enfermeiros, acho que contei para aí 12, de repente a sala ficou cheia a médica empurrou (acho eu) a Laurinha para cima e fomos a correr para mais uma cesariana. era 1h39 da madrugada do dia 25 de janeiro de 2014, e a minha filha nasce!
Não ouvi a Laura a chorar, e aterrei, desmaie! Acordei eram 4h30 da manhã, com a Laura já vertida no seu lindo fato verde, agarrada à  minha mama, e lembro-me de chamar a enfermeira e ter perguntado: “Esta é a minha filha, certo? Ela está bem, certo?”, A enfermeira olhou-me nos olhos e disse,: “Sim mãe é a sua linda filha, tem 51 cm, pesa 3490, agora está tudo bem com ela.Vamos tratar agora da mãe. Tem aqui o seu telemóvel para ligar para quem quiser.!”

As dores desta cesariana, foram tão más, que devido à infeção que apanhei lá, a minha barriga cresceu tanto (que parecia continuar grávida) e passado uma semana, dei entrada na maternidade, pois os pontos rebentaram e saíram alguns agrafos, mas fiquei bem, só descobri aos 33 anos com esta cesariana, que só tenho um rim.

Agradeço todos os dias a DEUS, pelas linda filhas que me deu, por tudo no final ter corrido bem, e mesmo assim, eu ainda gostava de poder ter outro filho.

mas L

Desde então a vida trocou-me as voltas, eu e o pai das minhas filhas já não estamos juntos (mas é o pais delas e elas adoram-no).
Perdi ainda o homem da minha vida, o meu pai, que partiu o ano passado em 14 dias, e foi o meu pai que sempre me apoiou muito.

Mas estou a conseguir dar a volta por cima, fiquei sozinha com as minhas filhas ( a Leonor com 2 anos e a Laura com 5 meses), uma casa para pagar, e com dívidas! Como devem imaginar desesperei mas arregacei mangas e segui em frente! Cheguei a ter 3 trabalhos, paguei tudo, divorciei-me, tive sempre o apoio do meu pai e hoje reencontrei o amor da minha vida, alguém que me ama, me respeita, me ajuda, me admira e é amigo das minhas filhas, e tento ser feliz todos os dias.

Hoje posso dizer, consegui! Nunca fugi dos meus problemas, só tentei torná-los mais simples e nunca prejudiquei as minhas filhas, faço tudo o que posso por elas, tento estar sempre presente, e espero que um dia, elas percebam que todos os sacrifícios que a mãe fez, foi somente a pensar nelas.

Hoje gosto muito da mulher que sou!!!! SOU FELIZ  e AMO MUITO as minhas princesas!

Fernanda Silva

 

Muito obrigada pela partilha Fernanda! É bom sabermos que apesar de tudo, vale sempre a pena!
Parabéns para as manas por serem tão doces (diz até que uma vai ser minha nora!!)  e à mãe por ser uma guerreira!

 

 

Save

Save

Super-Pai à distância

Quando a Bárbara me pediu para escrever este texto adiei a sua escrita até ao dia de hoje.

Porquê?
Simplesmente porque não queria pensar sequer na distância que mais uma vez ia ter dos meus filhos. Guardei esse momento para hoje, em pleno voo, onde me distancia mais de 7000 km de quem amo.

Ser pai à distância é duro, muito duro mesmo. Quem me conhece sabe que ser pai é a profissão que eu gostava de ter. Ter nascido numa grande família, em que todos nos damos bem, enraizou em mim um enorme sentido de família.  Estar longe dela é, sem dúvida, uma dor enorme para mim.
Se há uns anos atrás me perguntassem se algum dia emigraria sem eles, responderia categoricamente que nunca me passaria isso pela cabeça.
Infelizmente a vida troca-nos as voltas e há quase 3 anos fui obrigado a emigrar para Angola.

Podia dizer que cada vez estou mais habituado a isso, mas infelizmente cada dia que me despeço dói cada vez mais. Um dor indescritível, algo nos falta.

Aquele beijo de boa noite, aquele resmungar de não quero isto ou aquilo, aqueles sorrisos que me enchem de orgulho nos filhos que tenho.

O Tomás, agora com 9 anos, é sem dúvida aquele que menos aceita a minha ausência. Ainda não compreende que o faço também por ele, para lhe poder dar aquilo que acho que qualquer criança tem direito – uma vida com o menor sacrifício possível.

Já me questionaram e apontaram o dedo de eu lhe fazer falta mais do que tudo o resto. Estaria mentindo se não dissesse que já me fiz essa pergunta a mim mesmo centenas de vezes.
Vale a pena a distância?
Vale a pena o sacrifício que todos estamos a fazer?
Claro que essa conversa já a tive com a minha esposa algumas vezes e infelizmente ainda tem que ser, principalmente para o bem deles.

Quando vim pela primeira vez, o Tomás ainda não tinha 7 anos. A primeira despedida não custou muito, acho que ele pensava que eu ia ali e vinha já. Quando se começou a aperceber que eu ia ficar muito tempo  fora começou a reagir de uma forma algo estranha para mim. Recusava-se a falar comigo no skype, ou quando falava era uma mensagem relâmpago do género “Ola pai, xau”. Chorava em circunstâncias diversas em que algo o fazia lembrar de mim.  Estando longe, essas atitudes parece que ainda nos doem mais, que somos nós que estamos a provocar estas situações. Quando ele não quer falar connosco, questionamos-nos se os estamos a “perder”, se já não têm saudades nossas, se não querem saber de nós.
Acredito hoje que era mais uma forma de defesa dele perante a minha ausência.

A Inês, agora com 15 anos, como é natural,  sempre compreendeu melhor a minha vinda para fora. Talvez por isso, foi sempre a que custou mais dizer adeus. Sempre que vem ao aeroporto deixar-me despede-se com uma lágrima no canto do olho.
Sem dúvida que nos dias de hoje ser emigrante é bem mais fácil do que no tempo dos nossos pais e avós. Graças às novas tecnologias podemos estar “junto” deles de várias maneiras e sentidos. Felizmente que hoje em dia podemos falar e ver os nossos filhos quase todos os dias (infelizmente há dias sem internet).

Comunico-me com eles sempre que posso, de forma a tentar que o nosso dia a dia seja o mais normal possível.
Com a Inês, já com acessos a Skype, facebook, whatsapp e afins , durante o dia todo é bem mais fácil. Trocamos diversas mensagens durante o dia e partilhamos um pouco o dia um do outro.  Sempre fomos muito ligados e mesmo com a distância acho que consigo manter esta nossa ligação forte.

Como qualquer emigrante, acho que nos agarramos ao trabalho de manhã à noite para tentar esquecer um pouco a ausência da família. Quando eu digo que os piores momentos, quando estou fora, são os fim de semana costumam ficar admirados e não compreender. Estes dias são aqueles que estamos mais frágeis, porque temos mais tempo livre e mais tempo para pensar na família e sentir o quanto nos fazem falta.

Mas como é que algum pai aguenta esta distância dos filhos que tanto ama ou vice versa?
Porque tem uma mulher, aliás uma super mulher, que faz de pai e mãe e que ajuda a que a nossa ausência seja menos dolorosa tanto para os miúdos como para mim próprio.  Uma mãe que me mantém envolvido como pai em tudo que é possível.
Infelizmente a opção de eles emigrarem comigo, no país que estou é uma impossibilidade. Não posso ser egoísta e pensar só em mim. A saúde e educação dos meus filhos estão acima de qualquer decisão que posso tomar e mais uma vez em consenso com a minha mulher achamos que este sacrifício que  todos estamos a ter é o mais acertado.

Pai à distância? Sim, serei pai em qualquer circunstância e todos os sacrifícios valem a pena pelos nossos filhos.

Despeço-me como sempre me despeço dos meus filhos quando venho de viagem….. – “Até já….”

 

Júlio é o super-pai da Inês e do Tomás que divide os seus meses entre Portugal e os Palop.

Todas as ilustrações dos convidados são: My Simple Life

Escolhas!

Hoje quando vinha sozinha no carro a caminho do escritório dei comigo a pensar em como as crianças podem ser diferentes, ter gostos diferentes, ritmos diferentes e como os pais também assim o são.

Cada pai e mãe escolhe o caminho para os seus filhos. Normalmente essa escolha é aquilo que os pais acreditam ser o melhor.

Há argumentos, a favor e contra, para todas as escolhas que fazemos por eles.

Se há pais que infelizmente regressam ao trabalho ao final de 4 meses dos seus bebés terem nascido, e se os seus filhos não podem ficar com nenhum familiar, tem na balança que os seus filhos tem que ir para a creche ou para uma ama.
Para ambos os casos há vantagens e desvantagens.

Se os pais podem ficar com os seus filhos em casa, existem na mesma as dúvidas se essa é ou não a melhor opção.
E se sim quando devem os miúdos irem para o infantário? Aos 3 anos? Nunca?

Por cá ainda não se vê muito a “escola em casa”, nem sei se é permitido em Portugal estudar-se em casa.
Mas noutros locais, como nos USA por exemplo, os miúdos podem ter aulas em casa.
Mais uma decisão! Ir ou não há escola?

O que eu acho importante aqui é que os pais devem ser responsáveis pelas suas escolhas.
Ou seja!
Se eu escolho que o meu filho fica em casa comigo, eu sou responsável por lhe promover as ferramentas e os estímulos necessários para que se desenvolva e cresça!
Se eu escolho que o meu filho vai para a creche, eu sou responsável por estar atenta e por fazê-lo sentir-se seguro e amado. Se eu escolho, eu sou responsável pela escolha e por isso devo acreditar nela.  Porem se ela falhar, eu não devo ser culpabilizada. Pois acreditei que era a melhor escolha.

Acho ainda muito importante ressalvar que a escolha deve ser dos pais, não do pai ou da mãe.
Um pai não pode decidir que a mãe fica com o filho em casa, como uma mãe não pode decidir que um pai fica com o filho em casa.

Depois deste palavreado todo posso vos dizer que estive este tempo todo a distrair a mente disto:
“mãe desesperada entra no mar com as duas filhas…. 19 meses, 4 anos, morrem afogadas… alegados abusos e violência…a mãe sobrevive”….

Sobrevive? Como se sobrevive a isto? Quais são agora as escolhas?

Quais foram as escolha que estavam na  balança desta mãe?

O que importa a escola, a educação, se fica na ama, na avó, se é amamentada até aos 2 anos ou só até aos 2 meses…
O que importa é o amor, a segurança, a confiança…

E quando isso falha? quem nos ajuda? quais são as escolhas que temos?

 

Pequenos Nadas! 

A vida é feita de pequenos nadas, já dizia o outro.

E a verdade é que quando temos filhos esta frase acentua-se e paira nas nossas cabeças de uma forma constante, pelo menos na minha.

Aquele sorriso, aquele primeiro “sim” sonoro, a primeira vez que brinca mais de 5 minutos sozinho, aquela vez que nos abraça com saudades, aquele beijinho atirado pelo ar, o primeiro “mostra os dentinhos”, todas as palavras que diz de novo que nos surpreendem!

Pequenos nadas que no dia-a-dia não ligamos e que quando temos filhos em fase de aprendizagem são tão grandes e maravilhosos.

E eu sinto-me tão feliz e realizada por estes pequenos nadas do meu filho!

E porque o amor também é feito de pequenos nadas, ilustrei o artigo de hoje com uma foto cheiinha de amor!

Bom domingo 🙂

A dúvida! 

Já aqui disse que gostava de ter 4 filhos mas depois de um jantar como o de hoje fico cheia de dúvidas.

Jantei com uns amigos, em casa, e de 3 casais haviam 4 criancas! 

Suei antes do jantar, onde o meu miúdo ganhou logo um olho roxo, suei durante o jantar e suei ainda mais depois do jantar! 

Tinha 3 pirralhos entre os 15 meses e os 3 anos a correrem, a gritarem, a saltarem, a empurrarem e tudo e tudo e tudo a uma velocidade estonteante e com uma alegria assustadora! Assustadora porque eles estão felizes e de tão felizes ainda mais histéricos ficam e nós pais mais em pânico ficamos! Ou pelo menos eu fico!

A quarta criança portou-se bem porque ainda é um bebé de colo! Ehehehe

Só vos digo, o próximo jantar com estes três, só daqui a 10 anos! 

É bom, é! Mas é de doidos! 

Quatro Filhos! 

Lembro-me de em miúda não querer ter filhos. Lembro-me perfeitamente de quando decidi que queria ter 4!

Quando comecei a namorar com o Pedro e a coisa ficou séria rapidamente, lembro-me de lhe dizer que gostava de ter uma família grande. Sou filha única e embora tenha tido uma infância boa e com muitos primos, não recomendo. Sinto a falta do abraço de um irmão, ou de mais que um! 

O Pedro não fugiu assustado com as minhas intenções de ter quatros filhos mas disse-me que nem pensar! Dois e estava bom! Um dia iamos de carro e ele disse que concordava comigo, que deveria ser espectacular ter sempre a casa cheia, sempre alguém com quem brincar e que seria isso mesmo.

Durante muitos anos por motivos profissionais adiamos o momento de ter filhos, aproveitamos para viajar muito e um dia decidimos que já não interessava mais se era a época certa ou não é e que ia ser “agora” e depois tudo se arranjava!

E assim foi! O pequenino veio, muito desejado e já está a caminho dos 15 meses. Mudou muito a vida, mudou tudo!!! Deixei de trabalhar, vamos construir uma casa, não durmo há dois anos porque já na gravidez a coisa era difícil! Mas agora temos ainda mais vontade de ter os nossos quatros filhos e já sonhamos com o segundo!

Por isso mesmo o post que vos transcrevo abaixo me tocou tanto! Por isso mesmo estou vidrada no blog da Maria e deixei de lado os meus livros e todos os dias leio os artigos dela! Da deliciosa família da Maria! A Maria, o Francisco, os seus quatros filhos e o cão! Tão bom!

Fiquem com um texto fantástico e depois vão lá ver o blog maravilhoso deles. 

” Seis meses quatro

Hoje faz seis meses que somos pais de quatro. Ter um quarto filho é muito diferente de ter um primeiro ou um segundo mas nunca pensei que fosse tão diferente de ter um terceiro.

As pessoas na rua arregalam os olhos: “quarto?!?” – dizem uns, “Tão novinha.. ” –  dizem outros, abanando a cabeça, como se fosse uma fatalidade que me aconteceu por não ter tomado as devidas precauções.
Os amigos dizem que somos uns corajosos, a família diz que somos loucos, os médicos e enfermeiras acham que já não têm de nos explicar nada pois já sabemos, concerteza, tudo sobre gravidez, parto e puerpério (“ainda por cima  a mãe é psicóloga…”)
Existe de facto alguma descontração num quarto filho, embora nunca tivéssemos sido uns pais muito stressados (lembro me bem de mentir  à enfermeiras relativamente ao tempo de amamentação do nosso primeiro filho quando percebi que elas achavam que 3 minutos era pouco mas eu tinha a certeza que ele estava bem…)
Num quarto filho ninguém nos fala sobre como se deve amamentar, ninguém pergunta sobre os nossos receios e ansiedades, ninguém nos quer ensinar a dar o banho – tive de explicar que não era brincadeira que não me lembrava  MESMO como se dava banho a um recém nascido.
Enfim, percebi que ser mãe de quatro é uma condição diferente. Para o bem e para o mal. Às vezes perguntam-me como é ter quatro filhos, à espera que responda “é muito cansativo.. ”  e se eu responder isto oiço  um “pois, imagino…” Mas se eu disser ” bem é muito, muito bom! ” vão achar que eu não bato bem da cabeça “lá está ela, eu sempre achei que ela era meia doida” (Ok talvez tenha exagerado em ter ido à festa de aniversário do Lux na véspera da Jasmim ter nascido…)
Mas claro que é cansativo, só que às vezes sinto que o cansaço está muito sobrevalorizado. Não lhe podemos dar muita importância, senão não fazemos nada. A vida não é para ser simples, é para ser intensa e para ser intensa claro que vai trabalho.
 Desde o dia em que me aparecem 3 cabecinhas loiras pelo hospital adentro, de olhos brilhantes a verem a irmã mais nova pela primeira vez, percebi que lhes estou a dar das melhores coisas que eles podem ter, amor de irmãos e uma casa cheia.  Não me importo de ficar cansada no fim do dia, de não lhes poder proporcionar uma universidade no estrangeiro, férias na eurodisney ou todos os brinquedos que eles gostariam de ter.
Hoje, seis meses passados com 4 filhos tenho a certeza que foi isto que imaginei para a minha família, que é com muito amor e orgulho que estamos a ver crescer quatro irmãos que se adoram, que se odeiam, que brincam juntos, que riem juntos, que têm ciúmes uns dos outros,  que discutem, que se atropelam para ser os primeiros a fazer xixi, que ficam a conversar até adormecer, que pegam a mana ao colo sem jeito nenhum, que vibram como nós com as conquistas uns dos outros, que falam todos ao mesmo tempo.
Não sei se estou a dar a atenção que queria a cada um deles, não tenho o tempo que queria para me sentar a construir legos com um deles como tinha com um só, muitas vezes o mais velho faz os trabalhos de casa sem nós o conseguirmos ajudar, às vezes não sei se lavaram os dentes, se as meias estão certas, às vezes sinto que dei mais atenção a um do que a outro e fico desfeita, tento compensar, às vezes tentar compensar ainda é pior, às vezes não tenho a certeza se puseram bem as cuecas, se a mochila foi pronta para a escola. Mas sei que quero mimá-los, quero enchê-los de amor a cada um como se fosse o único. Sei que provavelmente não os estou a preparar para uma carreira de sucesso, serem lideres ou génios, mas tenho a certeza que os estou a preparar para o amor.
Hoje os parabéns são para eles os quatro.”